Para quem gosta das bizarrices que escrevo e desenho, criei um blog novo: http://meuterceiroblog.wordpress.com/
Espero que gostem. ;)


 

 


 

 

Meu blog, como qualquer um pode perceber, é para suprir a minha necessidade de experimentar as coisas.

Não é um blog experimental porque é igual a qualquer outro por aí.

Porém, me refiro ao experimentalismo por ser fruto de meus experimentos.

Esse aí de cima é uma mistura de tipografia tosca, com traços bem distintos.

Hoje eu vi que na verdade o que eu  queria era escrever sobre putas e não ser vulgar. Que eu gostaria de falar sobre violência e não ser agressivo. Que seria bom narrar a dor, sem precisar machucar. Falar de religião, sem pregar. Cantarolar o amor, sem soar meloso. Descrever o medo sem ser temeroso. Queria ilustrar o tédio sem ser enfadonho. Narrar momentos de infância sem soar infantil. Falar de sexo sem parecer pervertido. Falar dos seus problemas sem parecer intrometido. Hoje eu vi que gostaria de falar da morte, como se eu já tivesse vivido.

A maioria das histórias que a gente conta, só é interessante pra quem realmente se importa com a gente. O resto, nem isso. Essa é uma destas.

A exclamação í vem de: ichh

Que por sua vez tem origem em: ixi

Que é uma forma contraída de se dizer: vixi

Que provavelmente veio da palavra: virgi

Que, se a origem for realmente essa, veio de: virgem

Que na verdade é uma parte integrande da expressão: Virgem Maria!

Que só faz parte do nosso vocabulário por causa da nossa colonização pelos portugueses.

(Se  você se sente incomodado com a presença desse tipo de terminologia religiosa na nossa cultura e consequentemente no seu cotidiano, agradeça por não termos sido colonizados por espanhóis.)

E provavelmente há umas quatro linhas você já estava pensando algo assim:

Í, praquê lí?

Faz um tempo eu quis escrever um sonho, meu sonho.

Mas as palavras se demonstram muito incompletas quando se referem aos sonhos.

Não têm nem cheiro nem gosto. Nem cor nem profundidade.

Para descrever um sonho, precisariam ser por si só, poesias.

Poesias simples ou não, belas ou não, mas muito mais que palavras.

Ilustraçãozinha tosca que fiz entre um job e outro. O Sapo está com antenas e olhos de inseto porque quando comecei a desenhá-lo eu tinha acabado de voltar de um casamento, onde as pessoas ganharam óculos bizarros, antenas, gravatas e todas aquelas coisas de festas.

Como há muito não posto, vou colocar uns desenhos aleatórios, os últimos que fiz pra quem ainda visita o blog! :D

São tosqueiras que rabisco nas horas em que minha máquina trava…

Outra montagem, esta seguindo a mesma idéia da outra, porém fazendo referência à promoção: quem comprasse o apartamento ganharia uma viagem pra qualquer um destes lugares.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Montagens que fiz para um material de um prédio de Brasília. Gostei bastante do resultado.

Espero que gostem.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.